43 cristãos sírios reféns do Estado Islâmico desde fevereiro de 2015 são libertados

0

bandeira-siria-1024x683

Os cristãos na Síria têm a alegria de anunciar a libertação que ocorreu no último dia 22, de 43 cristãos restantes que foram feitos reféns pela Organização Daesh (o chamado "Estado islâmico") de aldeias ao longo do Rio Khabur no Distrito de Hasakah em fevereiro de 2015. A libertação aconteceu um dia antes do aniversário do sequestro deles.

Estes 43 cristãos estavam entre os mais de 230 sequestrados quando Daesh invadiu cerca de 35 aldeias predominantemente sírias. Todos os sequestrados nesses ataques estão sendo contabilizados agora. Quase todos foram libertados, e muitos deles nos últimos meses após negociações por representantes da igreja. Um vídeo divulgado pela Daesh no início de outubro de 2015 mostrou a execução de três cristãos sírios, dois dos quais estavam neste grupo.

Em um comunicado, a Igreja Síria da Organização Ajuda ao Oriente agradeceu a todos os que estiveram com os sírios durante os árduos 12 meses deste calvário. Embora regozijando-se pela libertação destes reféns, eles observam o impacto contínuo das perdas sofridas pelas comunidades da Síria, incluindo a destruição dos meios de subsistência.

Os cristãos sírios regozijam-se pela libertação dos reféns restantes daquele grupo de sequestrados e pedem nossa oração contínua para que:

* Todos aqueles que foram sequestrados e libertados recebam o conforto, a cura e a restauração do Senhor;
* Os desalojados experimentem o cuidado e provisão do Senhor, e possam voltar para suas casas muito em breve;
* Os cristãos de al-Qaryatain e outras partes da Síria que permanecem sequestrados tenham o conforto e sustento do Senhor, e sejam libertados em breve;
* Cesse a violência, a paz seja restaurada e a lei seja clara e aplicada igualmente para todos na Síria; e,
* Os responsáveis pelo assassinato e sequestro de civis inocentes tenham a convicção do pecado através do Espírito, busquem o perdão do Pai e encontrem uma nova vida no Filho.

___________________
Fonte: Middle East Concern

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui