Conflito Religioso ameaça tragar a República Centro-Africana

0

Líder da Aliança Evangélica corre risco de prisão por condenar violência; e Presidente dispersa os rebeldes.

 

Red_Cross_workers_bury_a_corpse_near_Bossangoa_on_Sept_16_518_x_389Trabalhadores da Cruz Vermelha enterram cadáver perto de Bossangoa, em 16/SET

 

Confrontos envolvendo Cristãos e Muçulmanos na porção noroeste da República Centro-Africana (RCA) aumentam o medo de uma divisão religiosa prolongada no país.

A RCA, país que faz fronteira com o Chade, o Sudão e o Congo, foi um dos países mais evangelizados do mundo (pelo menos em um nível superficial), afirma a Operation World, o manual internacionalmente reconhecido sobre missões globais. A Operation afirma ainda que a população da RCA é formada por 76% de cristãos e 14% de muçulmanos.  

Em março, Michael Djotodia depôs o então presidente com um golpe de Estado, e foi amplamente apoiado por uma coalizão de grupos rebeldes, incluindo Islâmicos, que anteriormente haviam lutado para ganhar poder em todo o norte do país, onde a minoria Muçulmana se encontra.

A Aliança Evangélica do país tem condenado os casos de violência mais recentes, quejá custou a vida de mais de 100 pessoas. 

Em setembro, 8 homens armados, que afirmaram ser próximos do Ex-Presidente François Bozizé, protagonizaram ataques na cidade de Bossangoa, a 250 km da capital Bangui, matando cidadãos muçulmanos, de acordo com o porta-voz do governo Guy-Simplice Kodégué.

Rebeldes da coligação Séléka enviaram tropas à área, realizando atos de violência contra Cristãos, causando um grande número de acidentes. Testemunhas contatadas pelo site “World Watch Monitor” relataram execuções sumárias, casas queimadas e igrejas saqueadas. A violência se espalhou para outras comunidades próximas, a exemplo de Bouca, a 100 km de Bossangoa. Já ocorreram ao menos 100 mortes e 50 pessoas ficaram feridas até agora, segundo dados do governo. 

Dois funcionários de uma ONG Francesa, a Agência para Cooperação Técnica e Desenvolvimento, foram mortos fora de Bossangoa. Relata-se que os assassinos sejam ligados ao grupo Séléka. Mais de 4500 pessoas estão refugiadas na diocese de Bossangoa, temendo mais violência. Um número indeterminado de pessoas fugiu em direção à mata.

O Pastor Nicholas Guerékoyamé, Presidente da Aliança das Igrejas Evangélicas da República Centro-Africana (preso mês passado por ter falado contra os ataques) condenou a violência recente, que, segundo ele, está levando o país a um conflito sectário. “Nós clamamos a todas as comunidades da República Centro-Africana a não cederem às tentações da divisão religiosa”, disse o pastor ao World Watch Monitor.

Uma semana depois da violência, a tensão permanece em alta na porção noroeste do país. O arcebispo de Bangui, Monsenhor Dieudonné Nzapalainga, visitou a área para confortar as vítimas e avaliar suas necessidades. Iniciativas semelhantes têm sido desenvolvidas pelos líderes Muçulmanos. Líderes religiosos Cristãos e Muçulmanos estão atuando dentro de uma plataforma criada em junho para evitar um conflito religioso no país.

O presidente Michel Djotodia anunciou na sexta (13/09), a dissolução do grupo Séléka – coalizão rebelde que o levou ao poder em março. “Todos aqueles que continuarem fazendo parte dessas entidades serão tratados como bandidos”, afirmou à imprensa local.

A dissolução do Séléka aconteceu três dias após a demissão do Chefe do Exército, e Djotodia anunciou que a responsabilidade pela segurança cabe agora às forças oficias do Estado. Mas nenhum detalhe foi fornecido sobre como essas forças vão neutralizar os milhares de guerrilheiros do Séléka espalhados por todo o país.

No passado, o Presidente Djotodia anunciou a introdução de medidas destinadas a coibir atos de violência do Séléka, mas sem resultados tangíveis. Ao invés disso, o número de rebeldes cresceu de 5000 para 25000 dentro de seis meses.

O grupo Séléka foi, repetidas vezes, acusado de atrocidades contra civis. De acordo com a imprensa local, o ataque que atingiu Bossangoa foi realizado por moradores exasperados por essa violência, que se armaram com a ajuda de ex-membros das forças armadas leais ao Presidente deposto Francois Bozizé.

O Presidente da Aliança Evangélica apelou à comunidade internacional para intervir e por um fim a esta “tragédia”. Ele esteve recentemente em Roma, e estará na Assembleia Geral das Nações Unidas, que começou no dia 17 de Setembro em Nova Iorque, onde a situação deve ser discutida. 

“Muita conversa já aconteceu”, disse ele. “Precisamos agir para aliviar o sofrimento da população da República Centro-Africana. Precisamos prosseguir com a proteção do país, e ajudar aqueles que estão se refugiando nas matas, fugindo da morte.”

Para coincidir com o debate da ONU, a ONG “Human Rights Watch” publicou no último dia 18 um relatório do que chama de “abusos horríveis” cometidos pelos novos governantes do país entre março e junho deste ano. O relatório de 79 páginas, “Eu ainda posso sentir o cheiro dos mortos: A crise de esquecimento dos Direitos Humanos na República Centro-Africana”,  e detalha a matança deliberada de civis – incluindo mulheres, crianças, e idosos, e confirma a destruição deliberada de mais de 1000 casas, tanto na capital Bangui, como nas províncias. 

“Os líderes do Séléka prometeram um novo começo para o povo da República Centro-Africana, mas ao invés disso realizaram ataques em larga escala contra civis, como saques e assassinatos”, disse Daniel Bekele, diretor da ONG Human Rights Watch na África. “O que é pior é que o Séléka recrutou crianças a partir dos 13 anos para realizar parte desta carnificina.”

___________
Fonte: World Watch Monitor 
Tradução: Felipe Augusto Lopes Carvalho

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui