CSW apela à Assembleia Geral da ONU para tratar de violações de liberdade de religião ou crença na Birmânia

0

birmania
A Christian Solidarity Worldwide (CSW) pediu à Assembleia Geral das Nações Unidas para se concentrar nas violações contínuas de direitos humanos, incluindo os abusos da liberdade de religião ou crença, na próxima resolução anual sobre a Birmânia.

Embora mudanças significativas tenham ocorrido na Birmânia durante os últimos dois anos, incluindo a libertação de muitos presos políticos, a participação de Daw Aung San Suu Kyi e seu partido, a Liga Nacional para a Democracia (LND) no Parlamento, o aumento do espaço para a sociedade civil, os atores políticos e da mídia, e do acordo de cessar-fogo frágil e preliminar com a maioria das organizações de resistência étnica armadas, graves violações dos direitos humanos continuam a ser perpetradas, em particular contra as minorias religiosas e étnicas. Em um comunicado, a Rede Birmânia Europeia alertou que nenhuma das chamadas para a ação de resolução do ano passado foram implementadas pelo governo Birmanês: "Embora tenha havido algum progresso, na maioria não houve quase nenhum. Para alguns, a situação piorou."

A CSW recomenda que a Assembleia Geral da ONU adote uma resolução sobre a Birmânia para tomar medidas urgentes para proteger as minorias religiosas de maiores violências, assegurar que os perpetradores de violência sejam levados à justiça e exortar  aos líderes políticos e religiosos de todas as comunidadesa a falar contra o ódio religioso e a intolerância. A resolução da Assembleia Geral deve exigir especificamente que a Birmânia convide o Relator Especial da ONU sobre Liberdade de Religião ou Crença para visitar o país, após a onda de violência anti-muçulmana este ano.

Além disso, congratulando-se com os recentes progressos no sentido de um cessar-fogo em todo o país com as nacionalidades étnicas, a CSW apela à Assembleia Geral, em sua resolução, para pressionar a Birmânia a iniciar um processo de paz que envolve um diálogo político com as nacionalidades étnicas, levando a uma solução política e uma genuína paz nacional e reconciliação.

O Diretor Executivo da CSW, Mervyn Thomas disse: "Nos últimos dois anos, temos visto verdadeiros sinais de esperança na Birmânia, depois de décadas de repressão, e damos as boas vindas às mudanças que o Governo da Birmânia introduziu. A resolução da Assembleia Geral da ONU sobre a Birmânia deve refletir esses desenvolvimentos positivos e incentivar o Governo a prosseguir no caminho da reforma. No entanto, para que a reforma seja genuína e duradoura, o respeito e a proteção dos direitos humanos devem ser promovidos. No ano passado, uma onda de violência antimuçulmana terrível varreu o país, e há preocupações de que isso poderia se transformar em uma campanha mais ampla de intolerância impactando todas as comunidades religiosas. Nunca houve um momento mais importante para falar sobre a liberdade de religião ou crença na Birmânia e para garantir que a resolução da Assembleia Geral da ONU reflita essas preocupações. É vital que a resolução exija que a Birmânia defenda a liberdade de religião ou crença, para acabar com a guerra no Estado de Kachin, impedir o estupro como arma de guerra, acabar com o recrutamento forçado de crianças-soldados eo uso de trabalho forçado, parar o uso da tortura e para pôr fim aos ataques militares contra civis. Instamos a Assembleia Geral da ONU a garantir que, embora o progresso deva ser reconhecido e aplaudido, os contínuos e graves desafios são direcionados eo Governo da Birmânia é colocado em dúvida quanto às suas responsabilidades para com o seu próprio povo e para a comunidade internacional".

_________________
FONTE: CSW
TRADUÇÃO: TÉRCYO DUTRA

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui