"Indicadores de perseguição religiosa precisam considerar o perigo da violência simbólica", defende ANAJURE em reunião da IAMS na Coreia do Sul

0


ANAJURE na Coreia do Sul3
Com agenda na 14ª Assembleia da Associação Internacional para Estudos Missiológicos (International Association for Mission Studies / IAMS) encerrada neste dia 17, o presidente da ANAJURE, Dr. Uziel Santana, volta da Coreia do Sul e já embarca para visitar juristas bolivianos (detalhes aqui), afim de tratar acerca deste mesmo tema também defendido em várias agendas internacionais com diplomatas e autoridades políticas nos Estados Unidos (veja mais aqui), e agora com acadêmicos e pesquisadores de vários países reunidos na Coreia do Sul, abordando o complexo problema da violência simbólica concernente à violações à liberdade religiosa, que ocorrem principalmente na América Latina, e não tem sido levada em consideração com todas as suas nuances nos indicadores e relatórios sobre esta temática.

ANAJURE na Coreia do SulAcompanhado pelo Dr. Felipe Augusto (assessor internacional da ANAJURE), o Dr. Uziel Santana apresentou seu trabalho sobre os efeitos da violência simbólica na América Latina, e também destacou as ações da ANAJURE para mediação de conflitos e conscientização internacional junto à Organização dos Estados Americanos (OEA), por meio das ações desenvolvidas por juristas brasileiros na Corte e Comissão Interamericana de Direitos Humanos.

Este trabalho na IAMS foi apresentado no grupo de pesquisa e estudo específico sobre liberdade religiosa, perseguição e missão, formado por pesquisadores, professores e acadêmicos do mundo todo, que concordaram com a tese de que a violência simbólica pode ser tão perigosa e danosa quanto a violência real, vista  hoje sobretudo no Oriente Médio e Norte da África.

Seguindo agora para a Bolívia, o foco passa a ser também a fomentação de uma associação de juristas bolivianos para trabalhar localmente, filiada à Federación Interamericana de Juristas Cristianos (site oficial aqui), em ações específicas sobre liberdade de religião ou crença no país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui