IRÃ – Cristãos são espancados e torturados na prisão

0

bandeira-Irã

A Christian Solidarity Worldwide (CSW) recebeu relatos afirmando que o cristão iraniano Silas Rabbani foi torturado na prisão de Gohardasht, enquanto Amin Khaki, também cristão, atestou ser violentamente espancado na prisão de Ahwaz.

Silas Rabbani, um diácono da Igreja do Irã em Karaj, foi preso em 05 de maio de 2014 por agentes da inteligência do VEVAK, que o informaram de seu plano para prender outros cristãos. Ele foi posteriormente transferido para a sessão 8 da prisão de Gohardasht , que está sob controle da Guarda Revolucionária.

Amin Khaki fazia parte de um grupo de oito cristãos que foram detidos e interrogados após um piquenique em 5 de março de 2014. Embora a maioria deles tenha sido liberada mais tarde, Amin Khaki, Hossein Baraunzadeh (Daniel) e Rahman Bahman (Zia) foram presos. Amin Khaki foi transferido para a Divisão Interna da prisão de Ahwaz em 7 de maio, enquanto Hossein Baraunzadeh e Rahman Bahma foram transferidos de Ahwaz para uma prisão na cidade de Dezful.

Em outras notícias, desde 1 de Maio, a Guarda Revolucionária continua a escavar um cemitério histórico do Baha'i em Shiraz, apesar da falta de uma licença apropriada das autoridades municipais. Este é o segundo cemitério Bahá'í a ser profanado por autoridades, desde que o presidente Rohuani chegou ao poder, e os relatórios indicam o local está sendo destruído para dar lugar a um centro de negócios e um estacionamento.

Comentando sobre a destruição do cemitério, Ms Bani Dugal, principal representante da Comunidade Internacional Bahá'í nas Nações Unidas, disse: "Dado o caráter histórico desta terra, onde cerca de 950 bahá'ís foram enterrados, incluindo dez mulheres que foram enforcados em 1983 por sua recusa a negar sua fé Baha'i, esta ação continuada não é apenas ilegal, mas moralmente ultrajante. "

Apesar das promessas do presidente Rouhani de garantir a igualdade de todos os iranianos, a situação para os bahá'ís e outras minorias religiosas não melhorou. 2013 viu o primeiro assassinato de Baha'is por motivos religiosos em 15 anos, que se seguiu a um discurso do líder supremo aiatolá Khamenei, uma semana mais cedo, que denegriu a comunidade. Em 3 de fevereiro de 2014, três membros de uma família conhecida do bahá'í sofreram ferimentos de faca, quando foram atacados em sua casa por um assaltante mascarado do Teerã.

Abril 2014 marcou o sexto ano em detenção de sete líderes bahá'ís que foram inicialmente detidos em 2008 e condenados a 20 anos de prisão em 2010 por "formação de um culto ilegal".

O diretor executivo da CSW, Mervyn Thomas,  disse: "Estamos extremamente preocupados com os recentes relatos de autoridades prisionais iranianas usando violência excessiva contra os prisioneiros. Instamos as autoridades iranianas a abster-se de qualquer forma de tortura ou violência, o que viola as suas obrigações nos termos do artigo 7 º do Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos (PIDCP), que proíbe a tortura e tratamento desumano e degradante cruel, e no artigo 10, que afirma que os prisioneiros devem ser tratados com humanidade e com respeito pela sua dignidade inerente ao ser humano. Pedimos, também, a suspensão imediata da demolição ilegal do cemitério Bahia. Este ato lamentável não só viola o direito à liberdade de religião e crença, mas é uma destruição condenável do patrimônio cultural. A CSW apela ao governo iraniano para intervir neste caso como uma questão de urgência, a fim de garantir a preservação deste local histórico. "

__________________________
FONTE: CSW
TRADUÇÃO: Felipe Augusto l ANAJURE

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui