Julgamento dos assassinos de cristãos coptas pode ser prejudicado porque uma das testemunha foi baleada

0

funeral

Funeral de Shahid Nasemis Saroufim l WWM

 

Está acontecendo várias vezes por semana, em particular nas cidades e aldeias do Alto Egito. Apenas uma notícia breve, citando um assassinato isolado aqui e ali de um cristão copta por "pistoleiros desconhecidos". Outra estatística, geralmente apenas o nome do copta, listando sua idade e sua cidade ou vila.

Mas em meados de janeiro, o assassinato de ainda outro cristão copta na província de Luxor, 315 quilômetros ao sul do Cairo, provocou pânico generalizado entre os 4 mil cristãos que vivem na área de Nag Hassan e as suas aldeias.

Por 18 meses, a comunidade cristã do Nag Hassan viveu sob a sombra da onda mortal de violência anticristã na sequência da expulsão de Mohammed Morsi. Em 5 de julho de 2013, quatro homens coptas foram mortos na aldeia de al-Dabayia, de Nag Hassan, em um ataque muçulmano que deixou 42 casas e lojas danificadas, queimadas e saqueadas.

Então, quando o cristão copta Shahid Nesemis Saroufim foi morto em Nag Hassan no dia 13 de janeiro, não demorou muito para se ligar os pontos, e talvez, entender o porquê disto.

No dia anterior, o Tribunal Penal de Luxor realizou uma audiência conclusiva no julgamento de meses de duração contra suspeitos acusados do ataque al-Dabayia. Na próxima audiência, a ser definida em algum momento no início de abril, um veredito é esperado contra os 17 suspeitos presos.

Saroufim era prima Emil Naseem Saroufim, um dos quatro coptas mortos em 2013. "Meu marido foi alvo, porque ele era uma das testemunhas da acusação", relatou a viúva de Saroufim Heba Eskander Farid ao World Watch Monitor.

Apenas 20 dias antes de seu marido ter sido assassinado, os parentes dos 17 acusados se  aproximaram do padre Basilius Naim do Youhanna da Igreja Mar, pedindo-lhe para organizar uma reunião de reconciliação com as famílias das quatro vítimas, para persuadi-las a retirar as acusações.

De acordo com Girguis Noushy Habib, irmão mais velho de duas das quatro vítimas, o padre copta lhes disse: "Nós podemos perdoar os danos materiais – da destruição, queima e saque em nossas propriedades. Mas não podemos perdoar o sangue de nossos quatro mártires."

"Tenho sido ameaçado de morte desde que testemunhei no julgamento", disse Habib. "Vivemos em um estado de medo e terror, especialmente agora depois da última morte de Shahid. Nossas vidas estão em perigo. Eles mataram Shahid para nos aterrorizar e pressionar os EUA para retirarem as acusações contra seus familiares."

Basilius foi ameaçado pessoalmente, finalmente obrigado a deixar a aldeia no dia após o assassinato de Saroufim.

Dois assassinatos suspeitos

Saroufim, 38 anos, foi baleado e morto em al-Dabayia enquanto andava de moto apenas a 500 metros de sua casa, na frente da casa de dois irmãos, Mohammed e Hassan Baghdadi. De acordo com uma testemunha ocular do disparo que pediu seu nome não fosse citado, os tiros vieram do supermercado anexado a casa dos irmãos Baghdadi.

Embora a polícia tenha prendido Hassan Baghdadi um dia mais tarde com uma das armas do crime em seu poder, Farid disse que o promotor tinha declarado que o homem estava mentalmente doente e enviou-o para um hospital psiquiátrico, no Cairo. "Mas ele é um homem muito sensato", disse Farid. "Eles fizeram isso para parar os nossos direitos, para retirar as acusações contra ele pela morte de meu marido."

Apesar de um mandado que a polícia emitiu para apreender Mohammed Baghdadi, até agora ele não foi preso.

Um esforço formal de "reconciliação" liderada pela Family House egípcia, uma entidade formada entre Al-Azhar University do Islã e da Igreja Ortodoxa Copta, em 2011, continua a negociar entre os partidos muçulmanos e coptas no caso Nag Hassan.

"Mas não há qualquer acordo de compensação até agora", disse o advogado Ashraf Shakir ao correspondente do WWM, embora tenha havido tentativas individuais em curso para "conciliar" o caso. Ele observou que os reparos e reconstrução das casas e empresas danificadas foram todas realizados pela igreja.

"Nossa situação no caso é muito forte, e deve haver um julgamento justo", disse Shakir, na expectativa do veredito esperado que deve ocorrer em abril.

Mas as tensões da vida e da morte permanecem elevadas na vila de al-Dabayia, e os fiéis da Igreja Ortodoxa Copta continuam sua vigília de 40 dias de orações para os mortos após a morte de Saroufim.

 

__________________________
FONTE: World Watch Monitor
TRADUÇÃO: Fernando Souza l ANAJURE

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui