'Igreja Secreta' servida com café e bolos em Cafeterias na Ásia Central

0

Central_Asia_main


Em um dos países onde os cristãos devem se reunir em secreto para evitar prisões, um grupo de mulheres tem feito o caminho inverso: se esconder em plena vista de todos. Elas se reúnem para orar em uma cafeteria localizada numa das maiores cidades na Ásia Central.

“É melhor nos reunirmos em lugares publicos, como nesta cafeteria, do que nos reunirmos de forma secreta em um apartamento”, disse a esposa de um pastor à Portas Abertas Internacional, explicando este ato de caridade que ajuda os cristãos que se encontram em pergigo por causa da fé deles.

Em toda a Ásia Central os cristãos são “cercados” por leis que restringem o direito de se reunir para cultuar. Eles só podem executar suas práticas em prédios (igrejas) que sejam registrados e que obtiveram autorização para serem construídos. Reuniões secretas podem acabar resultando em visitas policiais, multa e perseguição.

“Os vizinhos que estão ao redor dos locais onde realizamos os serviços aos domingos podem saber quem nós somos e a qualquer minuto ligarem para a polícia, por isso decidimos nos reunir em lugares públicos para realizarmos os nossos estudos bíblicos. Uma cafeteria é um lugar ideal, nós só precisamos ter cautela em algumas coisas por medida de segurança”, disse a esposa do pastor.

Para se manterem discretas, as mulheres da igreja secreta disseram que enquanto elas oram pelas necessidades apresentadas, elas ficam com os olhos abertos e com as Bíblias dentro das bolsas o tempo todo. Depois que as muheres oram umas pelas outras, elas finalizam a reunião.

Restrições por parte do governo contra a igreja são comuns em todas as nações que compõem a Ásia Central.

Azerbaijão

Fórum 18, uma agência norueguesa de vigilância religiosa, relata que comunidades religiosas no Azerbaijao repetidamente têm reclamado do procedimento de registro. Nesta nação, de maioria mulçumana, é necessária a permissão do Estado para que pessoas de todas as religiões tenham o direito de se reunirem para fins religiosos.

O ministério da cultura decidiu que apenas as comunidades religiosas registradas podem alugar prédios para suas práticas de culto. A propriedade originalmente construída como uma Igreja Luterana era vista como tal antes de ser confiscada pelo governo, agora ela é usada como um prédio para concertos.

Duas igrejas alugaram um prédio em uma casa de jogos nos domingos. Até outubro, a Igreja Protestante da Graça também alugou o prédio, mas ela foi impedida porque estava faltando uma autorização do Estado. Ela ganhou status de legalidade com o Ministério da Justiça na década de 1990, mas tem problemas com o governo desde 2011.

Uzbequistão

Ao redor de todo o Mar Caspian no Uzbequistão, todo o exercício de liberdadde religiosa ou de crença sem a permissão do governo é proibida. De acordo com a Portas Abertas Internacional, nenhuma igreja cristã tem sido registrada nos últimos 10 anos.

No dia 15 de novembro, protestantes e uma propritária (que não era cristã) foram multados a pagar um valor entre 10 e 55 vezes mais que um salário mínimo local, isso porque ela alugou o apartamento dela para cristãos. Livros e materiais religiosos foram confiscados e destruídos, junto aos dados a Igreja Ortoxa Russa.

Literaturas religiosas de todos os tipos de fé que estão sendo apreendidas dos indivíduos portadores são designadas para serem destruídas, de acordo com a ordem da Corte no Uzbequistao .

Quirguistão

Em uma vizinhança do Quirguistão, os líderes de todas as religiões estão chamandoo Conselho dos Direitos das Nações Unidas para uma mudança radical nos direitos de liberdade religiosa, durante o período da Revisão Periódica Universal que acontecerá no dia 15 de janeiro.

Apesar de promessas contrárias, o direito à liberdade religiosa e outros direitos humanos estão sendo limitados pelo Estado, tanto por meio de leis como na prática, relata o Fórum 18. 

A Portas Abertas Internacional também relata que o Quirguistão tem proporcionado mais liberdade religiosa do que qualquer outro país da Ásia Central e que há uma igreja vibrante de cerca de 300.000 cristãos, sendo a maioria russo-ortodoxa.

Paranóia totalitária e extremismo islâmico

De acordo com a Portas Abertas, os maus-tratos dos cristãos em toda a Ásia Central decorre de paranóia totalitária e do extremismo islâmico, resultando assim em perseguição de ambas as autoridades governamentais e islamitas radicais. Os muçulmanos que se convertem ao cristianismo são especialmente pressionados pela família, amigos e comunidade.

Para a maioria dos cristãos, o sigilo é a resposta habitual. Mesmo quando eles sao obrigados a que se esconder em plena vista.

"Estamos felizes e satisfeitos que, juntos, podemos estudar e aprender sobre Jesus;  a Palavra é confirmada em sua misericórdia e amor", disse a mulher do pastor no café.

"Oh, e o café e bolo são bons também!"

________________________
FONTE: World Watch Monitor
TRADUÇÃO: Fernando Souza l ANAJURE

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui